Medo de fogos e rojões: o que fazer?

Por Alexandre Rossi, com colaboração de Caroline Serratto

Os cães possuem uma audição extremamente sensível, capaz de captar sons imperceptíveis aos ouvidos humanos. Na natureza, isso os auxilia na hora de caçar, para evitar predadores e para procurar outros cães. Mas, em casa, sons muito altos podem amedrontá-los, significando sinal de perigo.

Os fogos de artifício assustam a maioria dos cachorros e, em muitos casos, o animal fica com uma verdadeira fobia, sendo capaz de destruir portas, pular muros ou janelas procurando um local para se esconder.

Com treinamento, é possível aliviar esse medo. No entanto, é necessária muita paciência, já que será preciso seguir, passo a passo, bem devagar, a sequência da dessensibilização:

• Grave os sons dos fogos e demais sons que o animal tem medo, como trovões, e coloque para tocar, inicialmente em um volume que o cão não se assuste ou mesmo se incomode com o barulho;

• Assim que começar o som, o pet deve ser recompensado com um petiscos ou uma brincadeira. A intenção é que, ao ouvir o barulho, o animal associe imediatamente com uma recompensa e deixe de ter medo;

• Aos poucos, vá aumentando o volume do som, respeitando sempre o limite em que o cachorro não se incomode com o barulho;

• Para saber se o condicionamento está ocorrendo de forma eficiente, observe o seguinte: assim que ele escutar o som, ele deve vir feliz buscar sua recompensa.

Este treino deve ser feito gradativamente e com bastante frequência. Aos poucos, podem ser introduzidos outros estímulos, como o som de uma biribinha, que deve ser estourada apertando-se dentro de um pano grosso, para abafar o ruído. Da mesma forma, vá aumentando o som de maneira gradual.

Podem ocorrer recaídas. Um exemplo seria se, durante o condicionamento, ocorresse um evento que tivesse muitos fogos de artifício, deixando o cão apavorado. Em casos extremos, é recomendado a utilização de medicamentos para essas ocasiões, evitando assim o retrocesso no processo de dessensibilização. Esta medicação só deve ser utilizada com orientação de um médico veterinário de confiança.

Caso o cão esteja demonstrando sinais de medo, o ideal é proporcionar um local para que ele possa se esconder, até que se sinta seguro para sair por vontade própria. Fazer carinho ou abraçar o pet nesses momentos pode ser pior, pois estaremos recompensando a sensação de medo no animal.


Anterior: Paz, amor, fantasia e Woofstock Próximo: Raças: Sagrado da Birmânia