Latidos em excesso

Latidos em excesso

O latido é uma das formas de comunicação entre cães. Analisando o tipo de latido, associado a postura corporal, é possível identificar se o cão esta bravo, ansioso, feliz ou querendo chamar atenção.

Porém, muitas vezes, os latidos são excessivos, causando problemas para o cachorro – aumentando a ansiedade e o estresse do animal – e para o proprietário – devido à reclamação dos vizinhos, por exemplo.

Para lidar com esse problema, inicialmente, é preciso verificar a causa do distúrbio, para, então, tratá-la. O latido é consequência de algum tipo de ansiedade que acomete o cachorro. Por isso, não podemos simplesmente eliminar o comportamento sem trabalhar o que desencadeia o estresse, pois isso pode fazer o cão transferir o comportamento errado para outro ainda pior. Por exemplo: se o cachorro late toda vez que está agitado, e passamos a punir apenas os latidos, sem identificar e tratar a causa da agitação, ele pode passar a lamber as patinhas até se machucar, ou começar a destruir objetos da casa, como forma de aliviar a ansiedade, pois continua estressado.

O isolamento pode ser uma das causas dos latidos – cães que são deixados sozinhos o dia todo. Outras causas comuns são o medo, o desconforto – fome, sede etc. – o instinto de proteção – territorial, da ninhada etc. – e o desejo de chamar a atenção do dono. 

Só após identificar a causa dos latidos e eliminá-las, é que também será possível entrar com a bronca na hora do comportamento errado. Assim, para estes casos, a repreensão deve ser aplicada no exato momento em que o cão começa a latir, e deve ser despersonalizada, isso é, sem que o cachorro associe que a bronca só acontece quando estamos presentes.

Uma bronca que pode ser utilizada, dependendo da sensibilidade do cachorro, é chacoalhar uma latinha com moedas. Quando o cachorro começar a latir, agite a latinha, e as moedas fazem barulho, dando um susto no cão, e os latidos tendem a parar. Com o condicionamento, o cachorro passa a associar o latido com o barulho, e a frequência e intensidade do comportamento errado tendem diminuir.

Oferecer opções de enriquecimento ambiental, passeios e sociabilização também são essenciais para ajudar no tratamento.

Lembre que o seu cão que possui esse problema deve ser recompensado sempre que ficar em silêncio. Faça um carinho, dê petiscos ou aumente a atenção quando ele não estiver latindo, pois assim o animal associará que, ficando em silêncio, recebe coisas boas.

Por Alexandre Rossi e Caroline Serratto colaboradores da ONG Cão Cidadão


Anterior: Você conhece o Peixe-Palhaço? Próximo: A história do gato preto