Austrália proíbe produtos testados em animais

Austrália proíbe produtos testados em animais

Sabe aquela maquiagem, esmalte e pastas de dente testadas em animais que você não tem certeza do método utilizado e se realmente foi necessário? Pois agora a Austrália resolveu implantar a medida de proibição que entra em vigor a partir de julho de 2017. A exceção tolerada será em casos de testes “responsáveis” com finalidade medicinal e desenvolvimento de produtos farmacêuticos.

 

baby albino rat in hand with a glove by researcher

Pelo menos 27 mil animais estavam, anualmente sujeitos à testes na Austrália

A nova lei afetará marcas gigantes como L’Oréal, Revlon e Estée Lauder, e pretende fiscalizar rigorosamente os novos produtos mesmo que os antigos ainda permaneçam nas prateleiras comerciais, gerando exclusão progressiva.

Pensar sobre a necessidade de utilizar animais em testes está cada vez mais em pauta mundial tendo a União Europeia, Nova Zelândia, Israel e Índia como exemplos de nações que já proibiram a prática desde 2003. São Paulo é uma das regiões onde esta medida já foi implementada, porém a Humane Society Internacional pressiona para que, não só o Governo Brasileiro como vários outros países adotem a medida.

[box] Os principais tipos de teste utilizados para a produção de cosméticos são:

Teste de Irritação dos Olhos – Mede a ação nociva de ingredientes químicos nos olhos de animais conscientes;

Teste Draize de Irritação Dermal – Substâncias são aplicadas em peles raspadas ou feridas para observação do surgimento de possíveis edemas, úlceras, enrijecimento cutâneo, entre outros;

Teste LD 50 – Lethal Dose 50 Perercent, mede a toxidade de certos ingredientes, induzindo a ingestão através de sonda gástrica ou similar, com 50% das cobaias mortas ao final do experimento.[/box]

A comprovação de benefícios ou malefícios resultados por milhares de substâncias já é de domínio científico, deixando para os fabricantes mais de 20 mil ingredientes químicos para uso em novos produtos de forma segura, além de meios alternativos como experiências In Vitro ou mesmo a utilização de animais que morreram de forma natural/acidental (sem a interferência humana proposital), fazendo desta atitude contra crueldade aos animais tenha a oferecer apenas resultados positivos para o mundo.

De acordo com a Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA Australia) por ano, na Austrália, mais de 27 mil animais estavam sujeitos a testes de cosméticos, então o impacto será muito positivo para a história do país. A existência desta proibição só tem a trazer avanço e qualidade de vida, não só para os animais como para os humanos.

coelho

 

Referência de Imagens:
Ratinho com Vidros de Laboratório, Rato e Médico, Coelhinho Livre

Principais Fontes de Pesquisa:
Boas Notícias, ANDA, PEA

 


Anterior: Cachorro mais feio do mundo: Sweepee Rambo! Próximo: Tecnologia Ajuda a Encontrar Animais Perdidos