Aprenda os perigos e tratamentos recomendáveis!

Aprenda os perigos e tratamentos recomendáveis!

Uma das doenças mais comuns entre os cachorrinhos são as pulgas. Estes pequenos parasitas são banalizados pelos donos dos pets, muitas vezes por falta de informação. Na realidade, uma infestação de pulgas traz problemas muito mais sérios aos nossos amigos, do que simplesmente coceiras.

 

Dependendo da intensidade da infestação e do grau da coceira, os pets podem perder os pelos de algumas regiões do corpo, além da diminuição de fome, seguida de fraqueza e anemia.

 

Outro problema recorrente em animais vítimas das pulgas é a contaminação do Dipilidium. Trata-se de um verme que compete com o cachorro e absorvendo seus nutrientes e vitaminas, agravando assim os quadros de anemia e fraqueza. Provável que você nunca tenha ouvido falar do Dipilidium, mesmo assim, ele é muito mais comum do que vocês imaginam.

 

A boa notícia que o Meu Amigo Pet traz pra vocês, é que a prevenção para este tipo de infestação é muito simples e eficiente. Hoje em dia, contamos com medicamento supermodernos e seguros, sendo vezes aplicados em filhotes.

 

 

Existem remédios em forma de spray, que devem ser utilizados em toda a pelagem do pet, tendo como única ressalva aplica-los dois dias antes e dois dias depois do último banho. Além deles, temos as medicações no formato tipo top-spot, que consiste em pingar uma pequena quantidade do produto na região da nuca. Em seguida, o remédio é absorvido pela pele e espalhado para as demais regiões do corpo com ajuda da gordura localizada abaixo da cútis.

 

Tome cuidado não só com o tratamento, mas também com os ambientes os quais seu Pet frequenta. Mesmo depois de curado, dependendo do lugar, facilmente o seu cachorrinho pode voltar a se infestar. Em caso de dedetização, escolha uma empresa confiável e alerte-os para utilizarem produtos que não sejam tóxicos aos animais. 🙂

Aproveite as indicações de produtos que separamos para vocês: —> http://bit.ly/16hvpSn <—


Anterior: Todo Pet merece uma caminha Próximo: Xixi no tapete higiênico: é possível?