Aedes Aegypti e os Pets

Aedes Aegypti e os Pets

Aedes_aegyptiApesar de não transmitir a Dengue, Chicungunya e Zika Vírus para animais, infelizmente o Aedes Aegypti pode atingir nossos amiguinhos, causando doenças igualmente sérias. Veja quais os perigos do contágio, o que pode ser feito em defesa do seu pet.

Não há quem não tenha ouvido falar dos grandes problemas causados pelo mosquito Aedes Aegypti. As notícias e campanhas são muito importantes para conscientizar a população, pois esta é a única maneira de diminuir os casos de Dengue, Chicungunya e Zika. Porém muitos ainda não conhecem o risco de Dirofilariose aos animais de estimação, conhecida como verme do coração.

A Dirofilariose é causada por um verme chamado Dirofilaria immitis, a qual o Aedes Aegypti consegue transportar de um animal infectado à mamíferos sadios, em sua maioria cães ou gatos. O parasita pode se desenvolver nos rins, fígado, pulmão, baço e cérebro, mas fica principalmente dentro do coração do pet, chegancoracaodo a até 35 cm de comprimento, causando obstrução da passagem de sangue, o que força o músculo cardíaco a trabalhar com mais força, até enfraquecer e dilatar, resultando em óbito.

Os principais sinais da contaminação por esta doença são: tosse, emagrecimento, intolerância à exercícios, sangramento pelo nariz, inchaço nos membros, aumento do volume abdominal, hipertensão pulmonar e insuficiência cardíaca. Em casos graves há o perigo de, após o tratamento, algum verme migrar para o pulmão, gerando embolia pulmonar, caso difícil de salvar o pet.

O que pode ser feito?

Existem medicamentos específicos e até cirurgia se estiver num nível avançado, mas quanto antes for identificada a contaminação, maiores as chances de salvar o animal de estimação, sendo assim, a atenção à sinais corpóreos e visitas regulares ao veterinário é de extrema importância. Consulte um profissional até para repelentes ou remédios preventivos, especialmente antes de viagens. Há grande crescimento de opções de proteção em petshops a seu favor.

Juntos na luta contra a proliferação do Aedes Aegypti!

  • Bebedouros devem ter sua água trocada diariamente e o recipiente lavado com esponja pelo menos 2 vezes por semana;
  • Mantenha a atenção em qualquer foco de água parada e até em sujeiras que impedem o escoamento hídrico;
  • Areia nos pratinhos dos vasos de planta e cobrir caixas d´agua é fundamental;
  • Soluções naturais como citronela no ambiente são aliados saudáveis. Deixe em local seguro durante o dia-a-dia.

Com carinho e dedicação, seu amiguinho continuará seguro para muitos anos de brincadeiras e amor. Informar é essencial para a prevenção, divulgue para todos ao seu redor e acabe com a ameaça do Aedes Aegypti!

cao-gato-juntos58

 

Referência de Imagens:
Aedes Aegypti, Coração, Unidos contra a Dengue


Anterior: Gatos Mais Caros do Mundo Próximo: Zoológico: Bom ou Ruim para os Animais? (Parte 1)